É possível que eventos com aglomerações sejam proibidos por decreto nestas eleições, tendo em vista a redução do coronavírus. Em Miguel Alves, o número de pacientes não tem aumentado. A pandemia continua controlada. Se o governador, que já decretou a lei seca, suspender aglomerações, as carreatas ficarão comprometidas. Em Miguel Alves duas já aconteceram.

As carreatas mostram a força de um candidato de acordo com o seu tamanho, organização e empolgação. Se forem proibidas, o eleitor miguelalvense já pode se basear com as duas carreatas que já aconteceram: a do candidato Oliveira Júnior foi bem maior e mais prestigiada que a do Veim da Fetraf.

A carreata do Veim precisava de pelo menos o mesmo número de componentes para se igualar à do candidato á reeleição. Esse número precisa ser observado porque se refletem nas urnas. Vamos ver as próximas. Se acontecerem.