Barras está na lista de municípios que vai receber mais recursos para a execução de ações de rastreamento e monitoramento de contatos de casos de Covid-19. O Ministério da Saúde vai transferir R$ 369 milhões para potencializar a identificação em tempo oportuno de casos de Covid-19 e seus contatos, com vistas a fortalecer a resposta ao enfrentamento da Covid-19. A ação atende à velocidade da mudança no cenário epidemiológico, assim como à necessidade de articular ações para a integração de serviços de saúde, em especial da vigilância e da assistência em saúde.

O recurso prevê o reforço da Atenção Primária à Saúde (APS), por estar mais próxima da população, com oferta ações de saúde capazes de conter a transmissibilidade do coronavírus e reduzir a circulação de pessoas com sintomas leves nas urgências ou hospitais. As ações devem aumentar a responsabilidade sas equipes de saúde da APS, pois são capazes de rastrear e monitorar os contatos de casos suspeitos e confirmados de Covid-19.

“A integração das ações da Vigilância em Saúde e Atenção Primária à Saúde vão fortalecer a resposta ao enfrentamento da Covid-19. Esse trabalho conjunto é essencial para detectar oportunamente os indivíduos infectados com vistas à interrupção da cadeia de transmissão, além de reduzir o contágio e casos novos”, explicou o médico e secretário da APS, Raphael Parente.

Não será necessário realizar adesão, e o recurso federal será transferido em parcela única e calculado em relação ao quantitativo de profissionais por município e Distrito Federal, e considerando três competências financeiras, de outubro a dezembro de 2020. O valor considerado para cálculo da parcela única será de R$ 6 mil por profissional.

As categorias profissionais que podem contribuir com o monitoramento dos casos são: médicos, enfermeiros, técnicos e auxiliar de enfermagem, agente comunitário de saúde, agente de combate às endemias, médico veterinário, agente de saúde pública, cirurgião-dentista, auxiliar ou técnico em saúde bucal, assistente social, profissional de educação física na saúde, fonoaudiólogos, terapeuta ocupacional, sanitarista, educador social, psicólogos e psicanalistas, fisioterapeutas, nutricionistas, farmacêuticos, microscopista, biólogo e biomédicos.

Barras vai receber R$ 108 mil.