Cinco minutos de fama foi o que ganhou um eleitor de Barras após um registro fotográfico. Ele é cadeirante, mais conhecido como Cumpade. O rapaz relata que Wilson Sérvulo lhe deu dinheiro para sair em uma foto (em um áudio ele diz que cobrou, em outro, diz que Wilson ofereceu, mas ele não aceitou. Em um terceiro ele diz que pagaram pela foto).

No primeiro áudio, ele aparenta estar muito vaidoso por sua foto ter viralizado na internet. Demonstra que quer que os políticos negociem o voto dele. “O Manim mais o Carlos Monte tem que procurar a gente porque a gente é potência”. Ouça!

No áudio acima, ele diz que ‘cobrou’ R$ 300 para tirar a foto. No áudio abaixo, ele disse que Wilson Sérvulo ‘ofereceu’ o dinheiro para ele tirar a foto, mas que não aceitou e devolveu.

Neste, ele acrescenta mais uma vantagem ofertada por Wilson: um emprego de 1 salário mínimo, caso ele apoiasse Edilson. Essa proposta não foi citada em áudios anteriores.

A fala a seguir foi retirada de uma entrevista maior em site de notícias parceiro da prefeitura de Barras. Na entrevista, o comunicador parece conduz a fala do entrevistado.

Em um terceiro áudio, ele demonstra estar sofrendo pressão de alguém. Diz que pagaram pra tirar a foto, mas que continua apoiando o seu candidato.

Questionado sobre o assunto pelo longah, Wilson diz que realmente esteve na casa de ‘Cumpade’. Wilson conta que estava fazendo uma visita no Bairro Matadouro e quando passava na porta da casa do rapaz, foi chamado pelo vereador Zé do Pó, que estava lá.

“O Zé do Pó pediu para eu descer e disse que aqueles eram eleitores dele Zé do Pó, e que votariam no Capote. Desci fizemos uma foto e fui embora. Não houve história de dinheiro. Essa história de emprego também é fantasia desse rapaz. Ele deve estar sendo instruído”, desconfia Wilson Sérvulo.

Wilson diz que está com a agenda muito cheia para se ocupar desse assunto, mas comentou que considerar essa versão como verdadeira é, de certa forma, ingênua.

“Pagar R$ 300 para uma pessoa tirar foto é ingênuo. Pensar que alguém acredita nisso é subestimar a inteligência das pessoas. Temos uma equipe de marketing que cuida dessa parte de foto… As pessoas que me procuram para tirar foto comigo, tenho maior prazer em tirar. Agora pagar por uma foto já é demais”, completa Wilson Sérvulo.’