A doméstica Alda Maria da Silva denunciou ao longah que perdeu o Bolsa-Família e não pode receber benefícios do INSS porque foi contratada pela prefeitura de Barras em junho de 2018. Segundo ela, na mesma época deram entrada no INSS para pedir auxílio doença previdenciário, como se ela tivesse sofrido um acidente de trabalho.Ela diz que nunca trabalho um dia sequer na PMB (veja documentos no final).

Alda acredita que outras pessoas podem estar passando pela mesma coisa que ela. “”Assim como eu, quantas pessoas podem estar passando por isso e nem sabem?”, questiona.

O caso dela chama atenção e exige uma investigação para verificar se não existe um esquema de contratações fantasmas dentro da prefeitura de Barras.

VEJA DOCUMENTOS!

OUTRO LADO

a ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO DA PREFEITURA disse que ‘todos os atos administrativos da Prefeitura Municipal de Barras, durante a gestão Carlos Monte, seguem o princípio da legalidade e todo o rito jurídico necessário. Consta nos arquivos da Prefeitura que a senhora Alda Maria da Silva prestou serviço, única e exclusivamente, no mês de maio de 2018, para substituir funcionário que se encontrava de férias.

Como já dito, a prestação de serviços por parte da senhora supracitada, seguiu todo o processo de legalidade, havendo nos registros públicos: nota de empenho, nota fiscal e nota de transferência bancária para o CPF de titularidade da senhora Alda Maria da Silva, inclusive com recolhimento da Guia de Recolhimento do FGTS e de Informações à Previdência Social (GFIP)’.