O prefeito do município de Nossa Senhora dos Remédios, Ronaldo Lages, seria de fato quem conduzia o Amarok envolvido na colisão que acabou na morte da bioquímica Joyce Ribeiro Barros, de 29 anos. O acidente aconteceu na madrugada do último sábado (27/05).

Ronaldo disse ao programa Agora da TV Meio Norte que não havia bebido na noite de sábado e que, inclusive, estava tomando remédio que o impedia de consumir álcool.Ele afirmou que estava no Bar Canecas que chegou lá por volta da meia noite e saiu 1 hora.

O ex-prefeito disse que acredita que o outro carro, o Ágile, estava com a o farol apagado. Ele reclamou da sinalização do local e disse que vinha com 40 quilômetros por hora. O ex-prefeito disse que está em Nossa Senhora dos Remédios, mas que se apresentou na manhã de hoje à polícia.

A polícia busca ainda pelo namorado de Joyce. Ele é quem estaria conduzindo o Agile onde estava a bioquímica e fugiu do local do acidente.

Uma arma foi achada dentro da Amarok, que seria de propriedade de Ronaldo Lages – que também é policial civil.

OUTRO CRIME

Ronaldo Castelo Branco Lages, que é policial civil, já respondeu na Justiça por algumas acusações. Em 2008, ele foi réu em um processo por tentativa de homicídio. Durante a campanha eleitoral de 2008, o acusado teria atirado em um trabalhador rural após uma briga na praça pública da cidade. O rapaz atingido pelo ex-prefeito, Francisco Fábio Lages, passou seis meses usando muletas. Nessa época, o ex-prefeito concorria à reeleição. Ele recorreu da decisão após alegar à Justiça que atirou em legítima defesa, após ter o carro apedrejado durante uma emboscada com pedras pelos adversários políticos. No ano de 2010, Ronaldo foi preso pelo crime eleitoral de captação ilícita de sufrágio durante a eleição suplementar. O processo resultou na cassação dos direitos políticos do ex-prefeito, que está inelegível sem possibilidade de concorrer em uma nova eleição.