Neste 27 de julho, faz três meses do registro oficial do primeiro caso de Covid-19 em Barras. O gráfico a seguir, produzido pelo longah, mostra a evolução rápida dos casos.

No primeiro mês subiu de 1 para 87; no segundo, pulou de 87 para 509 casos, chegando a 1.355 neste 27 de julho. Quando se observa o gráfico, percebe-se uma reta ascendente. Os números são da Secretaria Estadual de Saúde do Piauí.

Um ponto notado pelos leitores no boletim da prefeitura desta segunda (27) diz respeito ao resultado dos testes aplicados no município.  Há mais casos  confirmados  que descartados.  Quase  o dobro.  O que confirma que o índice de contaminação é grande.

Quando se leva em conta que muitas pessoas não estão conseguindo fazer o teste, deduz-se que o cenário não é positivo com relação à subnotificação.

Outro ponto negativo são o número de mortes que vem se acumulando: duas em maio, Catorze mortes em junho e doze até o dia 27 de julho. O dia com maior número foi 9 de junho.

O avanço foi rápido que permitiu o enquadramento do município no seis que ultrapassaram os mil casos confirmados: Teresina (15.821), Parnaíba (4.952), Picos (1.671), Campo Maior (1.592), Barras (1.355) e Luzilândia (1.269).

Dos municípios vizinhos que registraram casos a cerca de 1 mês antes de Barras,  Esperantina está com 695 após rígido controle de quem entra e sai da cidade através de barreiras sanitárias. Miguel Alves também conseguiu controlar, com 604 casos.

Os dois municípios tem quase a metade dos casos que Barras hoje acumula.