É muito grande o aumento de pessoas que estão fazendo uso dos medicamentos azitromicina, ivermectina e nitazoxanida quando sentem sintomas que acham que de Covid-19 ou mesmo para prevenir a doença

Nas redes sociais são grande o número de postagens. Uma publicação do dia 25 de junho da página “Um pouco de tudo” no Facebook sugere que a recomendação parte de “profissionais de saúde”, sem citar nomes, em função de um suposto “colapso no Sistema de Saúde do Brasil” e é direcionada a quem não quiser se “arriscar a ir a um hospital”.

Essa recomendação, porém, contraria a orientação da ampla maioria das autoridades e entidades de saúde. Embora haja estudos em andamento sobre a possível ação desses medicamentos contra o vírus que causa a covid-19, o SARS-CoV-2, a eficácia deles não foi comprovada até o momento…

Essa recomendação, porém, contraria a orientação da ampla maioria das autoridades e entidades de saúde. A orientação para pessoas que apresentam sintomas é procurar assistência médica e não se automedicar.

Há relatos em Barras de pessoas que estão resistentes aos medicamentos quando chegam ao hospital por ter tomado em casa através da automedicação.

O uso de medicamentos de forma incorreta pode acarretar, inclusive, no agravamento de uma doença, uma vez que a utilização inadequada pode esconder determinados sintomas. Se o remédio for antibiótico, a atenção deve ser redobrada.

“O uso abusivo destes produtos pode facilitar o aumento da resistência de microrganismos, o que compromete a eficácia dos tratamentos, tornando-se necessário o consumo de medicamentos cada vez mais fortes e tóxicos para tratar infecções relativamente simples”, salienta Brodt. O uso incorreto de certos remédios como anti-inflamatórios e antibióticos, principalmente em doses elevadas, pode gerar disfunções como hemorragia digestiva e sangramentos diversos, insuficiência renal e hepatite medicamentosa.