Professores de Miguel Alves decidem parar em agosto se prefeito não pagar adicional de férias

Sábado, dia 01 de julho, aconteceu a assembleia geral dos servidores municipais de Miguel Alves na sede do sindicato. Registrou a presença maciça de servidores de vários órgãos da administração municipal. A pauta da assembleia foi o enquadramento dos servidores e o pagamento do adicional de férias, dois direitos que estão sendo negados pela atual gestão municipal.

Após uma grande discussão que durou praticamente toda manhã de sábado, foram feitos vários encaminhamentos a serem apreciados e votados pela assembleia. A presidente do SINDSERM, Rejane Coutinho informou que como na assembleia de sábado o maior número de participantes era formado por professores e demais servidores da educação, foi deliberada  apenas uma proposta relacionada ao adicional de férias dos professores que ainda não foi pago.

Por unanimidade foi a provado que em agosto os professores não reiniciarão as aulas se até lá o prefeito não pagar o terço de férias. Durante todo esse mês os professores vão se mobilizar e visitar todas as regionais da educação para dialogar com os pais de alunos e mostrar à eles a situação. “Vamos fazer a mesma mobilização que fizemos no ano passado e em agosto não parar. Assegurou a presidente do SINDSERM.

Com relação as outras categorias, da saúde e demais órgãos, a diretoria do sindicato, com o aval da assembleia, vai se reunir com os servidores para mobilizá-los em defesa do enquadramento dos servidores que a atual gestão não fez. “O nosso objetivo é unir todas as categorias para estarmos na luta em agosto na defesa dos nossos direitos que estão sendo negados pela atual administração. Temos de protestar e repudiar a falta de compromisso da atual gestão.”Esta foi a tônica dos discursos dos diretores do sindicato e dos demais servidores que usaram da palavra durante a assembleia geral.

Sobre os precatório, o entendimento dos professores é de que o prefeito até o momento não apresentou o plano de aplicação dos recursos exigidos pelo TCE-PI. Se o prefeito apresentar o plano os recursos dos precatórios serão liberados. O sindicato entende que o desbloqueio dos recursos dos precatórios do FUNDEF só depende do prefeito.

DEIXE UMA RESPOSTA