Após chamar radialista de vagabunda, prefeito emite nota de esclarecimento

O prefeito de Piripiri, Luiz Menezes, se manifestou sobre o episódio em que foi gravado chamando a radialista Jôve Oliveira de ‘vagabunda’.

Nota de resposta
O prefeito de Piripiri, Luiz Menezes, explica o que aconteceu em gravação telefônica, tornada pública, feita a determinado jornalista.

O líder do executivo municipal, que vem durante anos sofrendo agressões verbais da candidata derrotada Jovê Oliveira e seus irmãos, que utilizam de um programa de rádio para criticar e agredir a gestão municipal e realizar campanha extemporânea, acredita que mais uma vez foi vítima, após apenas realizar seu direito de resposta sobre uma denúncia apresentada pela mesma. 

O prefeito explicou que ao ligar para o radialista Wesley Paz, solicitando um direito de resposta, o mesmo gravou a ligação. “Liguei para solicitar um direito e explicar os motivos reais pelo qual show da cantora Mara Pavanelly foi cancelado. Falei em caráter privado para explicar e mostrar a realidade dos fatos”, explica Luiz. 

Luiz Menezes vem sendo agredido constantemente no rádio, como a ocorrida no dia 16 de março no programa Cidade Urgente, comandado pelo irmão da radialista Jovê Oliveira em diz: “Após as loucuras do gestor de Piripiri que é conhecido como GESTOR TARJA PRETA, quando ele mistura medicamento a tarja preta que ele toma com bebida, fica embriagado, aí xinga todo mundo. TU NÃO SABE O QUE É FAMÍLIA, TU É UM IRRESPONSÁVEL, UM VAGABUNDO, QUE HUMILHA AS PESSOAS, UM NERO DE PIRIPIRI, O NERO QUE FOI REI DE ROMA E DEPOIS COLOCOU FOGO EM ROMA E TU LUIZ DESTRUIU NOSSA CIDADE”.

Filho de Piripiri, Luiz Menezes é médico, pai, avô, atleta, fundador do 4 de julho, sendo o piripiriense mais eleito como prefeito da cidade e atualmente exerce seu quinto mandato. Realizando uma gestão equilibrada e responsável, estando em dia com os pagamentos de servidores e fornecedores municipais, inaugurou recentemente o Centro Administrativo e vem prestando grandes serviços a Piripiri e ao Piauí. 

As ofensas não param apenas no prefeito Luiz Menezes, mas são diariamente levantadas a toda a gestão municipal que vem sofrendo agressões verbais e caluniosas em um programa de rádio do município, citamos aqui o programa do dia 27 de julho de 2019 (sábado) – Jornal do Meio Dia . “A gestão municipal que tem essa cara de perseguidor, que tem essa cara de gestão que não dá mole para quem é pobre, para quem é realmente é cidadão que quer trabalhar. Porque que a prefeitura, o gestor, não deixa as pessoas trabalharem em paz? O histórico de perseguição municipal já afetou diretamente centenas e centenas de famílias e a mão da prefeitura é muito forte com quem é mais pobre, sabe ele apenas manipular ou esmagar pessoas mais pobres, achando que a pessoa mais simples não tem a quem recorrer”, disse a jornalista Jovê Oliveira.

Como todo e qualquer ser humano, Luiz Menezes está no limite de suportar tantas agressões e tantas baixarias, mas apesar disso, ele sempre procurou o melhor caminho, que é o caminho da justiça e por isso, todas as agressões feitas ao prefeito estão sendo coletadas e será encaminhado ao poder judiciário, para que as providências sejam tomadas e justiça seja feita.

A assessoria do prefeito também encaminhou um áudio:

Sobre o caso
O prefeito de Piripiri, Luiz Menezes (MDB) chamou a radialista Jôve Oliveira em ligação para o jornalista Wesley Paz, de Campo Maior.

O prefeito, pai do deputado estadual Marden Menezes, queria tirar satisfação com o jornalista sobre uma postagem em que Jôve acusava o gestor de boicotar uma festa que ela estava organizando na cidade.

Wesley Paz gravou a ligação e a divulgou, causando grande repercussão sobre o assunto nas redes sociais. Jôve Oliveira também é suplente de deputada estadual e em 2016 perdeu a eleição para prefeitura de Piripiri por 200 votos.

“Você postou uma matéria que foi originada em cima do comportamento irresponsável dessa vagabunda daqui, a Jôve”, afirmou o prefeito.

A radialista se manifestou nesta quarta-feira (11/09) no Facebook:

“Sempre achei o nome vagabunda pesadíssimo para uma mulher ser rotulada. E ouvir na voz do prefeito da cidade onde nasci e escolhi para morar ao lado da minha família, que é chamada pejorativamente de raça pelo gestor, me traz um aperto no coração. Vagabunda não sou e nunca serei. Trabalho muito para sobreviver com dignidade, respeitando a todos… Ameaças e mais ameaças! Vagabunda, irresponsável, cobra cascavel, ataques que sofro todos os dias. Até quando, meu Deus? Mas, de cabeça erguida continuarei na nossa luta! Amanhã há de ser um novo dia!”, disse.

Ouça o áudio:

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *