CABECEIRAS: Eufrásio Filho se manifesta sobre investigação de sua conduta no Conselho Tutelar

O conselheiro tutelar Eufrásio Ferreira de Carvalho Filho falou com exclusividade à nossa redação e se manifestou a respeito da investigação aberta contra sua pessoa pelo Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Cabeceiras do Piauí.

Veja entrevista na íntegra:

R10.com – Veio a público a informação de que foi aberto um inquérito administrativo para investigar sua conduta enquanto membro do Conselho Tutelar de Cabeceiras do Piauí. Como você vê isto?

Eufrásio Filho – Em primeiro lugar, eu recebo com surpresa, porque a nossa conduta no Conselho Tutelar de Cabeceiras tem sido totalmente diferente do que as conselheiras apontam. Eu, quando fui candidato a conselheiro, vi que aquela entidade não possuía a expectativa de trabalho com a criança e o adolescente que tem hoje. Mas, é aquela velha história, nós que trabalhamos com a coisa pública, estamos sujeitos a elogios e a críticas, e espero, dentro do prazo legal, ser notificado pelo CMDCA (Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente) e poder responder a este inquérito administrativo e comprovar nossa inocência. Mas este encaminhamento que as conselheiras fizeram ao promotor de Justiça de Barras contém vários erros: Em primeiro lugar, o documento que elas enviaram a ele possui o nome de três conselheiras, sendo que apenas duas assinaram, uma delas não teve mais interesse de assinar a denúncia, isto é prova de que aquilo que estão apontando contra a gente não corresponde à realidade. Em segundo lugar, caro repórter, esta denúncia teria que passar primeiro pelo CMDCA antes de chegar ao promotor, porque ele não pode investigar diretamente os conselheiros, mas apenas dá, no final, a sentença, mas quem faz todo o levantamento é o CMDCA, composto pela presidente e mais 3 membros. Hoje a gente é considerado um dos conselheiros mais atuantes em Cabeceiras, isto dito pela população. Então não será apenas uma ou duas conselheiras que vão tentar manchar a nossa conduta. Estive com o promotor em Barras e ele fez a colocação de que até o Presidente da República Michel Temer estava sendo investigado, por que eu também não poderia ser? Na oportunidade eu coloquei que eu não era ladrão, não tinha um passado feio, mas uma pessoa de origem humilde e que iria superar isto.

R10.com – Você acha que esta investigação de sua conduta, feita por funcionários da prefeitura, afeta seu relacionamento político com o prefeito José Joaquim?

Eufrásio Filho – Eu acho que não, porque esta denúncia foi feita antes de nossa aproximação com o prefeito. Acho que o prefeito está é demonstrando transparência na sua gestão, porque ele está permitindo que se investigue a conduta do próprio irmão. Estão interpretando mal, porque este inquérito não é de iniciativa do prefeito, mas do CMDCA, por intermédio do Ministério Público, não houve questão política. Em relação aos três membros da comissão que vai apurar os fatos, eles foram eleitos há 2 anos atrás, não foram escolhidos pelo prefeito e nem pela presidente Lays. Então eu vejo que não afeta o campo político, mas afeta a minha imagem a nível de município e de Estado, porque hoje represento a Associação dos Conselheiros do Estado do Piauí, que é a Acontepi, através da qual reivindico o que é de melhor para os municípios. Eu vejo este caso com tristeza, porque alguém pode até questionar: Como eu posso ser bem avaliado fora do meu município e dentro dele acontecer o contrário? Então tem algo errado. Eu acho que neste caso tem uma influência política da oposição contra a minha pessoa no sentido de querer manchar a minha imagem. Estão usando conselheiras ligadas à oposição para tentar me prejudicar.

R10.com – Você está preparando documentos para apresentar em sua defesa perante a comissão?

Eufrásio Filho – Desde o início, porque temos de estar preparados para quando surgir alguma situação embaraçosa como esta. Mas é normal, até em outras cidades existem esses conflitos entre conselheiros. Sobre o suposto uso indevido do veículo do conselho, tenho como comprovar que fiz uma viagem para entregar uma criança a um parente em Porto, mas devidamente baseado em documentos e tenho como comprovar. Dizem também que eu estaria usando o conselho para tirar proveito pessoal, e isto não é verdade, estão interpretando mal as coisas. Lá (no conselho) tem uma senhora que quer se destacar, pois foi a menos votada, eu tive 342 votos e ela 272. Acho que por isso ela ficou com um trauma em relação à minha pessoa e por isso tenta me prejudicar com essas denúncias. Para concluir, quero dizer que quando fui presidente do conselho, consegui várias melhorias para aquele órgão, como motorista para o veículo, zeladora, agente de portaria, celular próprio, enfim. Então, eu acho que tive e tenho um papel importante dentro daquele conselho. Em relação a essa denúncia, tenho certeza de que vamos superar na hora certa.

Cabeceiras: comissão que investiga conselheiro tutelar, irmão de prefeito, é formada por comissionados da prefeitura

DEIXE UMA RESPOSTA