Faltando 16 meses para acabar atual gestão, trânsito não mudou. Placas ‘enfeitam’ esquinas

Sem função, placas jazem nas esquinas

Bons administradores devem ter ideias para gerar recursos dentro do próprio município e não ficar dependente de Fundo de Participação e recursos federais. Este á a característica de um prefeito empreendedor. Uma forma para incrementar a receita de um município é a municipalização do trânsito, que a cidade de Barras nunca conseguiu fazer. Falta ousadia, empreendedorismo e vontade para mudar. É cômodo ter um FPM chegando a cada dez dias e ter redes sociais para se lamentar a crise e as dívidas.

Em Barras, o caos no trânsito é completo. Quando as placas de trânsito chegaram e foram distribuídas nas ruas, houve uma expectativa que as coisas mudariam. Houve a promessa feita pelo prefeito Carlos Monte que o segundo passo seria uma ampla conscientização da população através da educação no trânsito. Mas os motoristas e pedestres seguem ignorando as placas sob o olhar distraído do prefeito. Falta gestão! Sobra confusão no trânsito.

Municípios como Parnaíba, Picos, Piripiri, Campo Maior, Floriano, Uruçuí, Corrente, São Raimundo Nonato e Piracuruca possuem gerência sobre o trânsito. Mas, em Barras, o estado continua com esta função.  E o que a gente vê são ruas com trânsito confuso, falta sinalização, desobediência às leis por falta de fiscalização, pessoas sem capacete, sem documentos do veículos, sem carteira de motorista.

Em Batalha, o município vizinho, o gestor conseguiu organizar o trânsito. As ruas são sinalizadas e a população obedece. Possui avenidas, ruas de mão única, de mão dupla. A ordem é garantida. Lá não há municipalização.

Caos e absoluta falta de controle

O Ministério Público expediu recomendação para a prefeitura que foi publicada no Diário Oficial do MP do dia 16 de outubro do ano passado. Segundo o promotor, existe um “caos e absoluta falta de controle do trânsito observada pela inexistência de fiscalização em especial no centro da cidade onde caminhões carregam e descarregam mercadorias ocupando toda uma faixa da via, ausência de sinalização e planejamento do trânsito com a ocorrência de inúmeros acidentes, trânsito confuso, condutores que não observam as leis de trânsito e ruas fechadas e intrafegáveis por carros que ocupam os dois sentidos da via formando fila dupla”.

A recomendação foi antes das placas de sinalização. As ruas foram sinalizadas. Nada mudou.

A promessa é que seriam identificadas as faixas de pedestres e de estacionamento. No projeto, consta também a colocação de semáforos, que seriam implantados na segunda etapa do projeto. Ruas iriam se tornar  mão única para maior fluidez o trânsito. Uma intensa campanha educativa em escolas, repartições, comércio e com toda a população sobre as medidas que serão adotadas para melhoria do trânsito na cidade deveria acontecer. Nada mudou.

Faltam dezesseis meses para acabar essa gestão e a promessa de organização no trânsito vai ficar para a próxima gestão.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here