Morre aos 73 anos o escritor e membro da Alval, Herculano Moraes

Morre em Teresina o jornalista Herculano de Morais. Ele, que é  É membro da Academia de Letras do Vale do Longá – ALVAL (sediada em Barras/PI) e da Academia Piauiense de Letras.

Deixa um filho Yuri Morais e a esposa Nilza Morais. O poeta foi casado com a barrense Maria do Socorro Carvalho.

Segundo o filho  Yuri, o pai sentiu mau no domingo quando foi internado em um hospital particular. E no findar da tarde veio a falecer.

Herculano Moraes da Silva Filho nasceu no dia 2 de maio de 1945, no município em São Raimundo Nonato, no sul do Piauí.

O acadêmico, escritor, poeta, jornalista, analista literário, romancista e historiógrafo Herculano Moraes é um dos pioneiros no processo de interiorização e democratização da cultura, ao lado dos escritores e acadêmicos Carlos Magno de Almeida, Maria do Socorro de Carvalho, José Alves  Fortes Filho, Bilé Carvalho, Reinaldo Barros Torres, Tomaz Gomes Campelo, Geraldo Majella Carvalho, Adrião José Neto, Antenor Rêgo Filho, José Luiz de Carvalho, José Bruno dos Santos, Luiz Gonzaga Brandão de Carvalho, Aerton Cândido Fernandes, entre outros talentos da inteligência do Piauí.

Era filho de Herculano Moraes da Silva e Olinda Moraes da Silva. Idealizou, fundou e instalou a Academia de Letras do Vale do Longá (ALVAL) e a Academia de Ciências do Piauí. Foi diretor do Teatro 4 de Setembro e da Casa Anísio Brito, em Teresina.

O filho de São Raimundo Nonato foi também Chefe de Gabinete da Secretaria de Estado da Educação. No Governo Lucídio Portella foi nomeado Secretário de Estado da Comunicação.
Ao lado de João Henrique de Almeida Sousa, Cacilda da Mata, Herdi Filho, Nerina Castelo Branco, Osvaldo Lemos, Francisco Chagas, foi um dos fundadores do CLIP, instituição literária que não prosperou, mas foi importante à época.
O autor de Visão Histórica da Nova Litaratura Piauiense é um dos fundadores da da Academia de Letras do Médio Parnaíba (com sede em Amarante/PI), atualmente uma das mais legítimas expressão da cultura do Piauí. Membro da Associação Nacional de Escritores (DF), da UBE-PI – União Brasileira de Escritores.
Com membros da Alval
OBRAS PUBLICADAS:
“Murmúrios ao Vento” (1965); “Vozes Sem Eco” (1967); “Meus Poemas Teus” (1969); “Território Bendito” (1973); “Cantigas do Amor Fundamental” ( 1974); “Seca, Enchente, Solidão” (1977); “Pregão” (1978); “Amor” (1987 e 1989); “Chão de Poetas” (1974); “A Nova Literatura Piauiense” (1976); “Visão Histórica da Literatura Piauiense”, 3 edições (1976, 1982 e 1991); “Fronteiras da Liberdade” (1981), romance; “Legendas” e outros. Foi incluído no livro “A Poesia Piauiense no Século XX” (1995), organizada por Assis Brasil e na coletânea “Piauí: Terra, História e Literatura” (1980), organizada por Francisco Miguel de Moura.
Herculano Moraes presidiu a Academia de Letras do Vale do Longá. É diretor do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Piauí; do Sindicato dos Escritores do Piauí, da Associação Piauiense de Imprensa, do Clube do Repórter do Piauí e sócio efetivo e perpétuo-fundador da Academia de Letras da Região de Sete Cidades (ALRESC), com sede em Piracuruca/PI,  onde é diretor e exerce o cargo de 1º Secretario. É verbete do “Dicionário Biobibliográfico de Escritores Brasileiros Contemporâneos” (1988), do escritor, historiógrafo, poeta, romancista, cronista e dicionarista Adrião José Neto, nascido no município de Luiz Correia, no litoral piauiense.

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here