Piripiri está entre os 10 municípios do Piauí com situação crítica por chikungunya

O aumento alarmante de 144,4% no número de casos notificados de chikungunya no Piauí entre janeiro e agosto de 2017, em comparação ao mesmo período de 2016, levou a Secretaria de Estado da Saúde a reunir, nesta segunda-feira (11), os coordenadores regionais de saúde para avaliar o cenário e comunicar novas providências para controle das doenças causadas pelo Aedes aegypti.

Bom Princípio, Cajueiro da Praia, Floriano, Francinópolis, Luiz Correia, Nazaré do Piauí, Oeiras, Parnaíba, Pedro II, Piripiri e São Raimundo Nonato são os 10 municípios que se encontram em situação crítica pelo número de casos registrados de chikungunya.

O aumento alarmante de 144,4% no número de casos notificados de chikungunya no Piauí entre janeiro e agosto de 2017, em comparação ao mesmo período de 2016, levou a Secretaria de Estado da Saúde a reunir, nesta segunda-feira (11), os coordenadores regionais de saúde para avaliar o cenário e comunicar novas providências para controle das doenças causadas pelo Aedes aegypti.

Como medida a ser tomada de forma imediata, os coordenadores deverão se apropriar da real situação epidemiológica dos municípios de sua jurisdição, estimulando a notificação dos casos e identificando os municípios com maior incidência das doenças.

Outra medida é a manutenção de diálogo com os gestores municipais na busca de estancar o avanço da chikungunya, monitorar e dar apoio técnico às ações previstas no Plano Estadual de combate ao mosquito que são desenvolvidas pelos municípios. Os coordenadores devem, ainda, assegurar as supervisões mensais de campo com registro em relatório da situação encontrada.

O próximo passo da mobilização no combate ao Aedes é “a visita dos técnicos da Secretaria de Estado da Saúde, junto com membros do Ministério Público Estadual (MPE), do Conselho de Secretários Municipais de Saúde (Cosems) e da Associação Piauiense de Municípios (APPM) para potencializar as ações e conscientizar a população acerca da urgente mobilização de prevenção e combate”, disse Miriane Araújo, gerente de Vigilância em Saúde.

Para este semestre está prevista, no período de 23 a 27 de outubro, a realização da Semana Nacional de Mobilização contra o Aedes aegypti, envolvendo a participação dos órgãos estaduais da Saúde, Educação e Assistência Social.

Como medida a ser tomada de forma imediata, os coordenadores deverão se apropriar da real situação epidemiológica dos municípios de sua jurisdição, estimulando a notificação dos casos e identificando os municípios com maior incidência das doenças.

Outra medida é a manutenção de diálogo com os gestores municipais na busca de estancar o avanço da chikungunya, monitorar e dar apoio técnico às ações previstas no Plano Estadual de combate ao mosquito que são desenvolvidas pelos municípios. Os coordenadores devem, ainda, assegurar as supervisões mensais de campo com registro em relatório da situação encontrada.

O próximo passo da mobilização no combate ao Aedes é “a visita dos técnicos da Secretaria de Estado da Saúde, junto com membros do Ministério Público Estadual (MPE), do Conselho de Secretários Municipais de Saúde (Cosems) e da Associação Piauiense de Municípios (APPM) para potencializar as ações e conscientizar a população acerca da urgente mobilização de prevenção e combate”, disse Miriane Araújo, gerente de Vigilância em Saúde.

Para este semestre está prevista, no período de 23 a 27 de outubro, a realização da Semana Nacional de Mobilização contra o Aedes aegypti, envolvendo a participação dos órgãos estaduais da Saúde, Educação e Assistência Social.

DEIXE UMA RESPOSTA