Uma pesquisa realizada pelo Ibope divulgada nesta terça-feira (2) mostra que 71% das pessoas concordam em exigir que as redes sociais removam contas falsas que tentam enganar as pessoas. A pesquisa foi motivada porque o Senado deve votar o projeto de lei que prevê ações das redes sociais para combater a disseminação de conteúdo falso, as chamadas “fake news”.

Apesar do grande debate contra a disseminação de conteúdos duvidosos, um perfil falso na rede social Facebook está sendo utilizado para divulgar conteúdos de publicidade de ações da Prefeitura de Barras, também está atacando adversários, fazendo publicações com conteúdo religioso discriminatório. Em uma das postagens critica uma religião de matiz africana.

Outro ponto chama atenção, é que a maioria das curtidas e comentários são de pessos que se beneficiam da administração, de funcionários comissionados e de membros da própria assessoria de comunicação do município, que deveriam estar atentos para impedir a ilegalidade, mas corroboram com ela.

O pior é que esses fatos levantam mais ainda as suspeitas sobre a pessoa que recorre a  expediente tão covarde, já que essa pessoa (ou grupo de pessoas) poderia utilizar o seu próprio perfil para fazer as suas críticas, mas prefere ficar no anonimato criminoso, atacando e desqualificando qualquer um que contraria os seus interesses.

Uma administração que prima pela transparência e pela honestidade não deve nunca permitir que perfis falsos sejam utilizados como instrumentos de assessoramento de informações oficiais. Principalmente porque o mesmo perfil que divulga as ações positivas, ironiza, divulga, tripudia atinge a imagem de pessoas da própria comunidade barrense, a quem as ações públicas deveriam proteger.

Nossa reportagem esta investigando de qual rede as postagens do perfil falso estão saindo, bem como o IP do computador.

SENADO VAI VOTAR LEI QUE COMPLICA O USO DE PERFIS FALSOS

O senado vota na próxima semana projeto de lei que estabelece regras para o uso e a operação de redes sociais e serviços de mensagem privada via internet (PL 2.630/2020). O texto visa combater a disseminação de conteúdos falsos.

A nova norma persegue três objetivos: fortalecer a democracia por meio do combate a informações falsas ou manipuladas; buscar maior transparência sobre conteúdos pagos oferecidos ao usuários; desestimular o uso de contas duvidosas, criadas ou usadas para desinformar ou plantar informações enganosas contra alguém.